Para alcançar as metas climáticas da UE até 2030, os Estados-Membros devem redobrar o corte nas emissões

Destaque para o setor dos transportes, onde as medidas planeadas para a redução das emissões de gases com efeito de estufa precisam de ser materializadas em ações concretas.

A Agência Europeia do Ambiente analisou as emissões de gases com efeito de estufa, que não estão incluídas no Regime de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa.

Entre 2005 e 2018, os Estados-Membros da UE e o Reino Unido reduziram em 11% as emissões de gases de efeito estufa nos setores de energia, processos industriais e utilização de produtos, agricultura e resíduos.

As contribuições dos diferentes setores para a redução nas emissões foram as seguintes: energia dos edifícios (155 Mt CO 2 e), gestão de resíduos (66 Mt CO 2 e), pequenas indústrias (61 Mt CO 2 e), energia dos transporte (25 Mt CO 2 e) e agricultura (2 Mt CO 2 e).

A partir de 2018, os Estados-Membros devem duplicar os esforços na redução das emissões, para se conseguir atingir a meta vinculativa de, pelo menos, 30 % de redução interna das emissões de gases com efeito de estufa nos setores não incluídos no RCLE-EU.

A AEA dá conta que as informações dos Estados-Membros sobre as políticas e medidas nacionais que vão implementar, para que a UE cumpra seus objetivos de descarbonização, são insuficientes. É claramente necessário um maior acompanhamento e avaliação dos efeitos das políticas a nível nacional para identificar as medidas mais eficazes para alcançar a neutralidade climática na EU e nos Estados-Membros.

Tendências contrastantes, projeções e expectativas, em especial

Setor dos transportes

Entre 2014 até 2018, as emissões dos transportes (excluindo a aviação) aumentaram, impulsionadas pela crescente procura nos transportes rodoviários de passageiros e de mercadorias. Pelo que, as reduções líquidas alcançadas pelo setor, até esse ano, são atribuídas à maior eficiência energética dos veículos e à introdução de combustíveis com baixo carbono.

No futuro, as reduções projetadas nas emissões dos transportes dependem principalmente da total implementação de medidas adicionais que ainda precisam ser adotadas, designadamente a promoção de combustíveis com baixo teor de carbono ou veículos elétricos.

Processos industriais

As emissões das pequenas indústrias (inclui as emissões das indústrias de energia e das indústrias de fabricação e de produção, emissões fugitivas e processos industriais que não são cobertos pelo RCLE-UE) diminuíram entre 2005 e 2018 (-61 Mt CO 2 e), devido principalmente à melhoria da eficiência energética e à promoção das energias renováveis.

Setor dos resíduos

Embora o setor de gestão de resíduos contribua pouco para as emissões, espera-se a implementação das seguintes políticas e de medidas: reforço na reciclagem, melhoria nas tecnologias de tratamento de resíduos e melhoria na gestão dos aterros.